sexta-feira, 11 de julho de 2014

[Resenha] Yu-Gi-Oh!, Segunda Temporada – Kazuki Takahashi

Pra quem achou que eu jamais voltaria a postar aqui e faria os hiatos gigantescos como no ano passado, sinto informar que estava bem enganado! Sim, me atrasei por motivos de força maior: ganhar tem-tem. Mas estou aqui mais uma vez, começando o mês de julho, entregando uma resenha nova! Em clima de copa do mundo descrevo aqui os melhores momentos da primeira parte da Batalha da Cidade que em minha humilde opinião é bem mais emocionante do que Neymar Jr sendo mistificado pela Rede Globo. Não, eu não desisti de assistir Yu-Gi-Oh! Essa segunda temporada simplesmente não te deixa desistir. Finalmente o jogo passa a ter uma coerência, descobrimos o porquê existem monstros tão fracos quando se tem monstros tão fortes. O novo esquema de duelo implantado por Seto Kaiba é inteligente e coloca os duelistas em cheque se desdobrando pra criar as mais inteligentes estratégias já vistas. Conhecemos muitos novos personagens interessantes, alguns da temporada anterior retornam pra mostrar o quanto evoluíram pós-ilha-dos-duelistas e os protagonistas encaram novos desafios com técnicas jamais vistas ou pensadas anteriormente. Não quero descrever aqui como os duelos são a partir de agora, também não quero escrever como na resenha passada o perfil dos personagens novos. Descreverei os melhores duelos travados em poucas palavras pra resenha não ficar tão entediante. Mas antes disso, uma mini sinopse da temporada;


A aventura de Yugi nessa temporada gira em torno das relíquias do milênio. Como de costume, Bakura está atrás delas e como se ele já não fosse traiçoeiro o suficiente, um novo inimigo aparece e também as quer. Esse novo inimigo se chama Marik e dá um tanto de trabalho para o protagonista logo de cara, é possuidor da varinha do milênio que pode controlar a mente de outras pessoas. O plano desse novo vilão é conseguir o poder absoluto do faraó e para isso ele precisa de toda a coleção de relíquias e certas cartas especiais que possuem um grande poder aprisionado nelas.  É complicado levar esse anime muito a sério, não os duelos, pois os duelos são sensacionais... Mas todo esse lance de magia antigo incorporado em cartas e objetos. Vamos então fechar os olhos e não julgar as ideias de Kazuki Takahashi. Yugi nessa temporada passará a conhecer mais de si mesmo, ou seja: Explicações sobre o “outro eu”, sobre seu passado e várias outras perguntas feitas na primeira temporada.

Relíquias do Milênio


Enquanto isso, Kaiba conhece Ishizu Ishtar (que eu acho tão linda) que fala um pouco sobre o passado no Egito antigo e sobre as cartas superpoderosas de deuses egípcios, que tem toda uma mitologia, que são bem poderosas e de quem Marik esta atrás também. A garota presenteia Seto com uma dessas cartas; Obelisco, o atormentador. Que acredita que possuindo as outras duas cartas obterá o título de melhor duelista do mundo, perdido na temporada anterior. Pra conseguir essas outras duas cartas poderosas, Kaiba cria um campeonato, chamado Batalha da Cidade, onde os duelistas saem pela cidade confrontando-se, como prêmio o vencedor pode reivindicar a carta mais poderosa do perdedor. Inteligente, né? Marik se aproveita desse torneio e enche a cidade de capangas que planejam a qualquer custo conseguir as cartas mais raras envolvidas nesse torneio, inclusive o Obelisco.

As três cartas de deuses egípcios, em ordem: Slifer, O Dragão dos Céus; O Dragão Alado de Rá; Obelisco, O Atormentador.



Agora vamos ao que interessa, os melhores duelos realizados nesse torneio:


Yugi Vs. Bandit Keith

Tá na cara que o americano trapaceiro não está passando muito bem nesse confronto. A relíquia do milênio de Yugi tá em risco e infelizmente a metade mais chata é a que está no comando. Esse duelo acontece antes do torneio de Kaiba e a voz de Keith é irritante. Eu particularmente não achei muito legal desse, o Yugi de olhos grandes parece um amador jogando e vemos o vilão mais uma vez roubar. Apesar de ver uma carta tão forte como o Zera em campo, não consegui me empolgar muito.


Yugi Vs. Rare Hunter #1


Infelizmente não me lembro do nome desse Rare Hunter, na verdade nem sei se seu nome é dito. Esse é o primeiro confronto nas Batalhas da Cidade e já é do conhecimento do telespectador que o protagonista terá que vencer esse cara estranho antes que ele consiga reunir as cinco cartas Exódia nas mãos. E rola uma trapaça por parte do vilão o que deixa as coisas um pouco mais complicadas. Mas claro que Yugi descobre os planos dele e tem a carta certa pra vencer... Afinal de contas, ele é o herói do anime e do Joey.


Joey Vs. Espa Roba

E não é que Joey também é vítima de um duelo contra um trapaceiro!? Espa Roba é um personagem novo, se diz psíquico e parece ter derrotado Rex (o duelista dinossauro da temporada passada). As cartas do cabeça de alface são bem legais, Jinzo tem a habilidade de destruir as cartas armadilhas em campo e se Joey o vencer ele conseguirá a conquistar, se perder, está fora das Batalhas da Cidade e então como sempre ele joga tudo nas mãos da sorte e seja o que Deus quiser... Estratégia de mestre, né? Igual a mim nos simulados do Objetivo anos atrás.


Yugi Vs. Arkana


Mago Negro Vs. Mago Negro. Apesar de esse duelo também não ser honesto, o que mais me incomodou foi haver ameaça de morte envolvida. Gente, o que aconteceu com jogos saudáveis vistos na temporada passada? Arkana é perigoso e quer o Mago Negro do Yugi, usa estratégias bem parecidas com as dele e seu Mago Negro tem um visual mais dark. Conhecemos nesse duelo o mais novo mascote do anime, a Feiticeira Negra que é uma variação fêmea e cute-cute do monstro favorito do protagonista.



Joey Vs. Weevil Underwood

Todo mundo já esperava que o Weevil não jogaria limpo. O que eu não esperava é que o garoto irritante teria cartas tão legais e poderosas. As estratégias do baixinho melhoraram consideravelmente desde a última temporada e o duelo parece nojento pra Téa e para quem tem estômago fraco. As cartas armadilhas e mágicas são combinadas sabiamente nas mãos de Weevil. Conhecemos também a Rainha Inseto e a Grande Mariposa, ambos monstros muito poderosos que dão um bom trabalho para Wheeler .


Yugi Vs. Pantomino 


O primeiro grande movimento de Marik, colocar Yugi contra uma de suas cartas deus egípcio, Slifer, O Dragão dos Céus entra em combate e tem um poder gigantesco. A marionete que Marik controla dessa vez é um dos personagens mais estranhos dos vistos nesse anime, em algum momento ele foi chamado de pantomino e eu não tenho nome melhor para me referir a ele (Talvez Rare Hunter #2). Outra carta que merece destaque no duelo é o Plasma Revivido que tem a habilidade de se regenerar, a estratégia criada em cima dessa habilidade é quase perfeita, mas o Yugi sempre dá um jeitinho (que por sinal, foi muito inteligente). 


Joey Vs. Mako Tsunami

E o saradão empolgado com monstros marinhos retorna para mais uma participação nesse anime. Como na temporada passada ele enfrentou o protagonista, nada mais justo do que enfrentar o Joey nessa. Vemos um Crocodilo de Espada se fundir com um Dragão Bebê. Não só o “mico de duelo” (apelido de Joey dado por Kaiba) melhorou suas habilidades como duelista, Mako aparece com cartas e histórias novas... Um desafio gigantesco e considerável! Cartas incríveis nos são apresentadas nesse duelo; Baleia Fortaleza, Giant Trunate, Torrential Tribute e por aí vai...


Yugi e Kaiba Vs. Umbra e Lumis


Na resenha sobre a temporada passada eu não mencionei o duelo de Joey e Yugi contra Para e Dox. Aquela foi a primeira batalha travada entre duplas. Agora o protagonista enfrenta Rare Hunters ao lado de Kaiba. O sincronismo e a cooperação em campo são notáveis entre os desafiantes. Os mocinhos se dão mal em vários momentos, quase sempre graças a arrogância um tanto exagerada do Kaiba. Obelisco de Kaiba decide o confronto. O que não gostei mais uma vez foi o lance de duelos e risco de vida estarem envolvidos.


Yugi Vs. Joey

Quem pensou que só veríamos o duelo entre esses dois de novo no final do anime estava muito enganado. A amizade e lealdade dos mocinhos são colocadas em prova . O vilão Marik graças a sua varinha do milênio consegue dominar a mente de Joey e o joga de cabeça em uma luta contra seu melhor amigo. Nenhuma carta que tenha realmente chamado atenção foi usada e até o Kaiba ficou pra assistir dessa vez, o que foi trágico. Mais vidas sendo decididas a partir de duelos longos, inclusive de terceiros dessa vez. Nenhuma jogada digna de “óóó” e muitos flashbacks cansativos.  


Bakura Vs. Bonz


Yami Bakura é um dos personagens mais enigmáticos, sua ambição é clara e seus porquês também, porém nunca soube ao certo quem ele de fato foi. Pra completar o time da galera que voltou da temporada passada, Bonz aparece com uns amigos e quase conseguiu chegar nas finais do torneio, não fosse a intervenção do antagonista de cabelos brancos. Poderia facilmente dizer que se trata de um duelo das sombras já que os monstros envolvidos aqui são bem darks. A notícia boa é que veremos Bakura nas oitavas de final! Não disse que isso ficava melhor que a copa?


Mai Vs. Mestre dos Ninjas Magnum

Esse mestre de ninjas é na verdade um ator de Hollywood que foi humilhado no passado por Mai e agora está apaixonado por ela! Não é difícil se apaixonar por ela, nem saber que a loira já está classificada para as finais da Batalha da Cidade... Também não é difícil saber que Mai usará Harpias em um duelo contra o ator... Mas... Ops, ela usa algumas Amazonas dessa vez! Não gostei desse duelo, achei-o muito sem sentido e fiquei sem graça (vergonha alheia) com o final meio ridículo! Porque jogar Joey e Mai assim um nos braços do outro de forma tão idiota!?

-

Agora teremos oito finalistas pras batalhas da cidade, os duelos mais interessantes começam e já esperamos pelo melhor dos nossos personagens favoritos. Os confrontos são sorteados pouco antes de começar e logo de cara nos deparamos com:


Yugi Vs. Bakura


Apesar de saber que Yugi é um gênio em se tratando de monstros de duelo, Bakura vai sem medo rumo ao oponente, apostando em jogadas ousadas e dizendo o tempo todo que está manipulando o adversário rumo ao fracasso e de acordo com sua vontade. A Necrófaga das Trevas é uma carta muito legal, possui habilidades únicas e até quando vai para o cemitério causa muito prejuízo! Tabuleiros de Ouija, Palácio de Domínio das Trevas e possessão de monstros, como parar tudo isso? Slifer, O Dragão dos Céus é invocado e decide o duelo, mas claro que rola uma pressão psicológica por parte dos antagonistas! 


Joey Vs. Odion

O baralho de Odion é lotado de cartas armadilhas, e Joey chega a suspeitar que seu oponente talvez não possua monstros lá. Ah... Esqueci de dizer que todos acham que é Marik quem está lutando, o que eu não achei uma ideia tão boa assim por parte dos vilões. Como disse, os padrões são elevados aqui, e o momento em que Joey coloca em campo todos os monstros conquistados na primeira fase do torneio é muito show. A reviravolta de Odion que coloca seu oponente em cheque ao trazer a Fera Mística de Selket é digna de aplausos. E o final, infelizmente apesar de digno é meio forçado! :\


Mai Vs. Marik


Descoberta a identidade do verdadeiro Marik  o sorteio coloca Mai para o enfrentar. Uma Mai meio desequilibrada, graças a um Joey meio retardado. O vilão transforma o confronto em um duelo das trevas criando o seguinte parâmetro: Cada monstro que um perder, é um amigo de que você se esquece. Uma alternativa esperta pra se usar contra uma pessoa com as fragilidades da loira. Marik usa umas jogadas vistas anteriormente e Mai se esquiva delas facilmente, show! E é show também quando ela rouba a carta Dragão Alado de Rá e tenta o invocar. Mas os jogos das trevas são traiçoeiros e a garota chega ao seu limite emocional.


Kaiba Vs. Ishizu

Finalmente Ishizu dá o ar da graça e enfrenta Kaiba de uma forma um tanto diferente. A calma dela é inspiradora e seu Colar do Milênio (faz com que a garota enxergue o futuro) a ajuda a fazer jogadas em que a garota parece nem olhar para as cartas que acabou de sacar. O almofadinha logo de cara já quer colocar Obelisco, o Atormentador em campo, consegue também destruir todos o monstros da oponente e em seguida várias de suas cartas. A jogada de Ishizu consegue ser mais ousada e cruel, que faz com que Kaiba e ela troquem o seu baralho pelo seu cemitério... Ou seja, desde o começo do duelo, ela o manipulava e perdia suas cartas de bom grado! A varinha do milênio de Marik reage com Kaiba (que em outra vida foi seu dono) e muda a decisão do duelo.  

-

Essas foram as oitavas de finais, quatro duelistas foram para as quartas, mas infelizmente a temporada termina aqui. Oops, não aqui. De brinde ainda assistimos um último duelo, onde os antagonistas se enfrentam, então... Daremos uma olhada nele também.


Yami Marik Vs. Yami Bakura


O terceiro duelo de Bakura nessa temporada, e vemos o garoto jogar de uma terceira forma diferente. Esse confronto é mais complicado do que parece já que Yami Bakura luta contra Yami Marik ao lado da parte boa de Marik! Coisa de louco, não? O duelo é das sombras mais uma vez, um pouco semelhante com o que aconteceu com Mai Valentine anteriormente. Existe uma briga que é pelo Dragão Alado de Rá e quem vai o invocar e desfrutar de suas diversas habilidades e poderio único. E o perdedor se perderá (poético, não?) pra sempre nas trevas... E a temporada acaba aí, o que é quase um insulto pra quem assiste e fica louco pra saber o que acontecerá no fim desse jogo doentio.

-

Essa temporada é realmente muito superior a primeira, as regras de duelo passam a fazer mais sentido, o personagem central descobre mais sobre si mesmo, um vilão tão terrível quanto Pegasus nos é apresentado e cartas impressionantes são colocadas em campo! A música de abertura Japonesa dessa temporada também é muito boa, gostei muito mesmo. Uma das coisas que me irritavam/desanimavam em alguns dos episódios era o excesso repetitivo de flashbacks, esse é o maior dos meus pontos negativos... Outro lance que também me irritava um pouco era de alguns duelistas sempre dizerem várias vezes, “Eu estava te manipulando, e você fez exatamente o que eu queria”, meu, isso tira toda a credibilidade do oponente e o anime deveria valorizar mais a inteligência dos seus personagens. Aqueles roubos no começo também foram desnecessários, talvez simplesmente façam parte do desenvolvimento da trama! 


Quem gostou muito dessas novas regras, novas cartas, novos duelistas e querem viver na pele o que Yugi e seus amigos viveram, sugiro que procurem o jogo de Nintendo DS: Yu-Gi-Oh! Nightmare Troubadour, este game é bem coerente ao que aconteceu no anime e suas regras e os gráficos são bem legais, eu mesmo não me canso de jogar. Acredito que não seja difícil o baixar no seu pc pra jogar, é só questão de procurar nos lugares certos! 



Pra finalizar, eu sempre recomendo que assistam esse anime, tanto pelos personagens cativantes, pelas mensagens de amizade e união, quanto pelas estratégias envolvidas. Yu-Gi-Oh! deveria ser jogado com mais frequência pela molecada. Eu mesmo desejei muito poder ter jogado mais na minha época de colégio, desejei também ainda ter meu deck, mas por enquanto mato minhas vontades no vídeo game. Fiz uma resenha sobre a primeira temporada do anime em fevereiro desse ano e planejo fazer de todas até o final de 2014, peço desculpas pela demora com essa resenha, que deveria ter postado no mês passado e deixo um obrigado pra quem leu!

Até a próxima. \o

Nenhum comentário:

Postar um comentário