terça-feira, 22 de julho de 2014

Ando assistindo: Scandal

E quem diria que o mês de férias seria o mês que os autores desse blog mais enrolariam?

A primeira vez que ouvi falar de Scandal na verdade nem foi exatamente sobre ele, mas num post de moda sobre as roupas que a personagem principal, Olivia Pope, usava nessa série. Ultimamente estou muito entusiasmada com coisas visualmente bacana, filmes com uma fotografia maneira, jogos com o gráfico bonito e séries com a estética legal, então, fui ver do que se tratava esse seriado escandaloso.

Meu namorado lindo, maravilhoso, viril e de bela fisionomia (ele pediu que fosse retratado mais ou menos dessa forma) tentou chutar do que se tratava a série sem sabermos absolutamente nada sobre a sinopse, e só pelo título e posters ele acertou completamente.

Scandal trás uma trupe de advogados que trabalham na agencia de Olivia como resolvedores de problemas. O cliente é sempre um figurão reconhecido na sociedade que deseja que seu problema seja solucionado de forma em que sua fama na mídia saia sempre ilesa, ou pelo menos da melhor forma possível. Em geral esses clientes acabam sendo grandes políticos metidos em crimes.

Olivia trabalhou também dentro da casa branca, e esse nicho, junto com a própria agência, são os cenários principais da trama maior que sempre fica misturado com um caso e outro dos clientes.

Não seria nenhuma revelação bombástica se eu colocasse aqui que o romance principal é de Olivia Pope com o presidente dos Estados Unidos, senhor Fitz. Senhor Fitz é um senhor casado, e esse relacionamento afeta não só o casamento de senhor Fitz, mas toda uma nação.

O primeiro secretário, Cyrus, é um personagem que fui pegando gosto com o passar do tempo. Ele tenta controlar o país e esses pombinhos loucos o melhor que pode, mas a vida, a vida não seria tão linda se fosse tão simples, e esse casal é um casal de crianças mimadas que não se controlam.

Da pra ver que tenho certa antipatia pelo casal Olifitz e isso ocorre pois acho que como casal eles são bem egoístas, mesmo entre eles. Quando não estão tentando colocar seu amor em cima de todo o resto do país, estão discutindo quem dá a última palavra em suas próprias discussões.

De qualquer forma, tirando o lado romântico de Olívia ela é uma moça bacana. A propaganda que faz de si mesmo não é a toa, ela realmente é a melhor no que faz, e tem boas intenções em todos os casos e consultorias em que entra.

Minha personagem favorita é Mellie. Mellie é a primeira dama e em muitas cenas eu tenho pena dela. Não digo pena dela no sentido que ela seja frágil ou sem voz. Exatamente o contrário, ela é inteligente, é bonita, tem jogo de cintura e sabe como as coisas andam, mas sinto pena pelas situações que ela tem que conviver. Geralmente por causa do casal de crianças mimadas lá.

Uma de suas cenas que mais me deixou apaixonada foi na segunda temporada, quando fala com Fitz sobre os filhos. Até aquele momento a única vertente que me deixava com o pé atrás sobre Mellie era seu lado mãe, muito pouco presente durante a série, mas foi nessa cena que esse aspecto mudou.

Como eu disse, eu comecei a assistir essa série pois fiquei intrigada com quanta roupa bonita a moça usava, e conforme fui assistindo o restante da galerê de Olivia Pope e associados não me decepcionou, até chegar... o cara da TI.

Eu faço computação. É o que faço para viver. E no meio de ternos sob medida, saias lápis, gravatas impecáveis, etc. Me vem Huck usando um moletom de capuz. E o mais impressionante é que eu estava com um moletom de capuz naquele momento. Na verdade estou com um moletom de capuz agora, enquanto digito essa resenha.

Não pretendia fazer sessão spoiler dessa vez, mas o nerd do seriado merece esse momento, pois o plot twist da vida desse cara tira toda e qualquer primeira impressão que a apresentação clássica dos 'caras da TI' tenham tido na sua vida até hoje.

-=-=-=-=-=-=-=-=-=- Sessão Spoiler para quem já viu a série -=-=-=-=-=-=-=-=-=-

Se você já viu essa série sabe... Huck é o mais fodelástico personagem de toda a trama. Depois de tudo revelado ele deixa de ser simplesmente o cara da TI. É o ex-agente. E o que mais me deixou interessada na sua apresentação foi que ele não foi passado simplesmente como alguém que teve um passado muito bem escondido, e depois que descobriram vira o bonzão da história toda. Ele é alguém que teve esse passado brutalmente posto ali.

Estava acostumada com personagens, que quando surgem com um background desse tipo sempre são cheios de marra, com pinta de badass e tal. Huck não. Huck sofreu e ainda sofre com o que foi vivido. Mostra a dualidade que passa em sua cabeça, o que se tornou e o que isso causa nele até hoje.

-=-=-=-=-=-=-=-=-=- Fim do Spoiler aqui -=-=-=-=-=-=-=-=-=-

Outro personagem bem legal, que não tem todos os pontos em carisma que sua integridade merecia, é David Rosen. David é promotor, e provavelmente o cara mais correto e justo de todo o seriado. Ele se esforça, batalha para provar as intrigas que existem escondidas em cada canto desse seriado (e não são poucas), mas quando é fé, alguém, seja da agência ou seja da casa branca o breca. E lá se foi nosso grande David. Mas ele tem seu momento e é um excelente momento.

Estou atualmente na terceira temporada, e muito empolgada com uma personagem especial que apareceu para concorrer com Fitz pela presidência, é ela, Josephine Marcus (interpretada por Lisa Kudrow, Phoebes de Friends). Deixaram ela mais velha, com carinha de mais seriedade, mais presidencial, e possivelmente eu votaria nela. O discurso sobre sexismo que deu durante uma de suas entrevistas foi uma coisa épica. [/FanGirl Detected]

Scandal é um seriado surpreendente. Não daquele jeito que fica pipocando novas invenções dos roteiristas só para agradar, mas do tipo que lhe trás revelações que estavam lá o tempo todo, mas que você nunca deu muita moral, até que 'PAH!' em sua fronte.


Recomendo muito essa série que trás vários tipos de questões sociais e políticas disfarçadas com drama, investigações e tudo isso que 'nóis gosta'. Hehe.







Nenhum comentário:

Postar um comentário