domingo, 18 de maio de 2014

Rush - Ron Howard

Por muito tempo passei as manhãs de domingo em minha casa assistindo Formula 1 com meu pai. Já se fazem uns bons anos que isso não acontece, e foi tempo suficiente para que eu esquecesse que isso era algo legal, então, quando vi o filme Rush, não tive a empolgação gigante de querer assisti-lo. Ainda bem que acabei o vendo, pois sim, o filme é muito bom.

O filme é baseado na história de James Hunt e Niki Lauda e foca principalmente na disputinha entre os dois nas competições automobilísticas. E é claro que dá aquela boa pincelada na vida pessoal de cada um.

Geralmente quando se trata de um filme biográfico acabo por acreditar que será um filme tedioso, mesmo que seja fantástico, ainda sim eu espero que seja um filme lento. (Só acrescentando que gosto de filmes assim, só não acho que eles fiquem mais rápidos por isso) E esse filme, com toda sua temática de corrida, não é assim.

O ritmo é bem gostoso, foram duas horas frenéééééééticas onde você não consegue realmente decidir por quem quer torcer. Isso porque eles são duas figuras completamente diferentes uma das outras.

James Hunt, interpretado por Chris Hemsworth, que para me facilitar a vida chamarei carinhosamente de Thor, era um rapaz extrovertido, que curtia uma boa vida, uma boa festa, carros e moças. Se você procurar imagens do senhor Hunt, o original, no Google imagens verá um punhado de fotos do cara atrelado à várias mulheres. Esse lado faceiro e cheio de marra dele é o que contrapunha demais com a personalidade de seu arquirrival (de mentirinha. LOV*) Niki Lauda.

Vou confessar que minha maior identificação foi com Lauda. Niki Lauda (Daniel Brühl) já era alguém muito mais sistemático e objetivo, e logo não concordava com o modo de ser de Hunt. O filme mostra como essa perspectiva sobre o outro piloto vai mudando com o tempo, e isso é algo que acredito sempre ser importante mostrar e incentivar ao telespectador, o respeito com o coleguinha.

Queria dar uma ressalva pro romance de Niki com sua primeira esposa. Achei uma fofura (s2 s2 s2) e também me deu aquele apertinho no peito seus diálogos sobre felicidade com ela. A atriz que interpreta Marlene, Alexandra Maria, conseguiu fazer um coquinho igualzinho o que a moça usava na época. Achei isso engraçado.

Os atores escolhidos para os papéis ficaram muito parecidos com os originais, não no nível Morgan Freeman em Mandela, mas da pra ver a semelhança. Por exemplo Olivia Wilde como Suzy, a primeira esposa de Hunt.

Outra coisa que gostei bastante de ver em Rush envolve o profissionalismo dos dois. Sim, no filme mostra Lauda constantemente preocupado com seu envolvimento nas corridas, mas isso não significa que Hunt chega, mostra seu show e vai embora, como se fosse um cara que ganha tudo simplesmente por ser o power ranger vermelho (digo isso no sentido de ser descolado e naturalmente talentoso). É mostrado ele estudando antes de provas, seu desenvolvimento lá dentro, suas preocupações, e você não vê nenhum deles falhando como profissional.

Vi uma vez, em um documentário, Frank Willians falando sobre o papel do piloto para a empresa. Primeiro que os valores de cada peça, dos pneus ao combustível é gigantesco (milhões, amicos...) então obviamente não há espaço para pessoas que sejam menos valiosas quanto. O dinheiro que circula é muito grande, mas as exigências também são. Fora o risco físico para o próprio piloto, então, por mais fanfarrão que o cara seja nas ruas, ele tem que ser um jovem trabalhador dedicado.

Um detalhe legal são as filmagens de corridas que aparecem nas Tvs no decorrer do filme. Apesar de não serem imagens reais das corridas da época, o tipo de filmagem foi feito para que realmente se assemelhassem com elas, e se alguém virasse e falasse que eram eu provavelmente acreditaria.

-=-=-=-=-=-=-=-=-=- Spoiler de um filme biográfico -=-=-=-=-=-=-=-=-=-

Só deixei como spoiler isso porque pode acontecer de alguém ver o filme por causa do Thor e não saber nada da história de ninguém, mas, como vai apresentar lá no finalzinho do filme, na verdade os dois pilotos sempre eram vistos juntos, e até a morte de Hunt se deram bem.

O acidente com Niki foi muito bem feito, e todas as cenas que decorreram dali foram muito bacanas, desde seu tratamento no hospital até a entrevista com a imprensa, e principalmente a reação de Hunt com o repórter inconveniente.





-=-=-=-=-=-=-=-=-=- Fim dos Spoiler -=-=-=-=-=-=-=-=-=-


Eu, como uma sedentária que o único esporte que assiste é automobilístico, adorei o filme. E não digo isso apenas como fangirl, porque comecei a vê-lo bem descrente. É realmente uma biografia muito bacana, que não é de modo algum cansativo, e que mostra vários aspectos desse esporte que sei que hoje em dia já não tem toda a notoriedade que lembro de ter antigamente. Recomendo muitissimo. =D 


Os originais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário