sábado, 12 de abril de 2014

House of Cards - Netflix

Quando me apresentaram a série me induziram a pensar que seria um substituto em potencial de Breaking Bad, mas no primeiro episódio toda essa teoria já foi quebrada. House of Cards tem uma estrutura totalmente diferente, personagens bem diferentes, uma temática totalmente diferente e mexe com uma classe social também diferente.

O seriado disponibilizado pela Netflix tem como protagonista Kevin Spacey na pele de Frank Underwood, um congressista que tem muita ambição e poucos princípios, e mantem um dialogo direto com o telespectador, literalmente, já que ele de fato vira pra câmera e começa a explicar algumas de suas ações para a mesma.

Apesar de mostrar outros nichos além de suas peripécias dentro da casa branca, os relacionamentos em volta sempre acabam sendo interferidos pelos planos que segue para ter seus desejos realizados.

Seu casamento com Claire Underwood é uma coisa notória, que muita gente pode achar exótico demais até, mas, como diria vovô, “O combinado não é caro”, se são felizes assim (o que as vezes se confunde se é verdade ou mentira nas cenas de Claire) quem somos nós para julgar? *Yao Ming meme*

Zoe, é outra personagem muito importante na primeira temporada, uma jovem jornalista que se relaciona com Frank de forma em que ambos se usam para conseguir benefícios em suas carreiras. Particularmente eu não gosto dela, não consigo me dar bem com pessoas muito desgostosas com a vida por motivos que elas mesmas criaram, e que pra botar a cereja no topo do sunday tendem a culpar os outros. Apesar da sua pequena aparição durante a segunda temporada, sua cena de saída da série foi ó... Excepcional.

Existem muitos outros personagens de destaque na série, mas só queria fazer uma pequena ressalva para o chefe de gabinete de Frank, Doug Stamper, que é um tipo de fiel escudeiro que todo mandachuva quer ter, e para Freddy Hayes, dono da melhor venda de costelinhas da cidade. Só essa ressalva.


É um seriado bem bacana, mas com diálogos bem complexos numa primeira olhada. Talvez quem não goste de uma história muito cheia de nós e vários pontos entrelaçados não vá gostar tanto assim. Mas é um seriado interessante, que deixa a gente querendo ser mais observador e pró-ativo, e que tem uma abertura linda cheia de imagens bonitas de Washington. xD


Nenhum comentário:

Postar um comentário