sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Fruits Basket – Natsuki Takaya

Escrito e ilustrado por Natsuki Takaya e publicado na revista Hana to Yume entre 1999 e 2006, Fruits Basket conta a história de Tohru Honda, uma menina que perdeu a mãe e para 'não ser um fardo' para os parentes (Tohru tem esse desejo de não incomodar muito forte) passa a morar numa barraca de camping em um terreno escondido, até descobrir que esse terreno é a casa de alguns dos membros da família Sohma.

Shigume Sohma, o mais velho e responsável pela casa, a acolhe dentro da residência em troca de serviços domésticos. Porém, essa família está cheia de maracutaias...

Os Sohmas escondem um segredo muito complexo, são amaldiçoados pelo horóscopo chinês, onde treze membros do bando se transformam em um dos animais do signo quando são abraçados por pessoas do sexo oposto. Quem conhece o horóscopo chinês sabe que são doze os signos que ele representa, o décimo terceiro adicionado na história é o Gato, representado pelo amor da minha vida Kyo Sohma, que tem papel muito importante na história.

É um mangá muito fofinho cativante, cheio de nuances sobre a relação entre as pessoas, como família, amizade, formas de admiração, amor e respeito.

Os personagens de Furuba (palavra que acho particularmente feia que os otakus costumam usar como apelidinho da série) também são bem diversificados. Todos tem suas histórias particulares, e seus modos de agir e pensar são bem próprios. Além disso a maioria traz alguma liçãozinha pra vida e algo para ser uma pessoa melhor.

Eu passaria horas falando de cada um dos personagens desse mangá, mas dessa vez gostaria de fazer algo diferente.

Foi proposto pela blogueira e amiga Vivian de Paulo que os leitores redigissem uma carta para algum personagem literário. Quem quiser ver, o post da Vivi é esse aqui! (Post da Vivi). Eu roubei na brincadeira e pensei em um personagem de mangá. O que não perde o status de literatura, né?! Então segue abaixo meu momento com Tohru Honda.

Itajubá, 01 de agosto de 2013 
Querida Honda-chan,
Queria dizer que já faz um tempo que li sua história, mas que guardo com muito carinho tudo que aprendi contigo. Queria também informá-la que progredi bastante desde a última vez que prometi que ia tentar ser mais como você, que seria mais otimista e mais simpática com todos e que agiria com mais empenho, seja na escola, no trabalho ou no trato com as pessoas. Também queria agradecer àquela lição sobre assumir seus medos, e não simplesmente fingir que eles não existem e negá-los até a morte. Enfrentá-los, mesmo que eles ainda estejam lá.
Talvez eu nunca tenha lhe dito isso diretamente, mas te acho uma fofa. É tanta fofura que te espremeria até seus olhos saltarem para fora... Assim: @.@ 
Confesso que por muito tempo invejei sua relação com seus amigos. Achava muito bonito esse sentimento de troca de cuidados, onde todos se ajudam de forma espontânea e nunca parecem distantes; até que percebi que eu também tinha pessoas muito importantes do meu lado. Mesmo aquelas que estavam longe, ainda estavam aqui. Como sua mamãe está sempre contigo em cada boa memória, né?! 
Bem, já fiz meus milhões de agradecimentos, espero agora que continue essa menina doce e cheia de vida que sempre ajuda seus amigos e inspira seus leitores.
Beijinhos e morangos,
B.Marques.
Ps. Arranjei um cachorro que é a cara do Shigume numa versão branca, você iria adorar.

Pps. Me ajudaria a deixar as roupas tão brancas como as suas? Não sou muito boa nisso não. Tenho a impressão que o alvejante vai rasgar os tecidos a qualquer hora.





2 comentários:

  1. Que Linda sua carta *.*
    Adoro Fruits Basket, não li o mangá mas assisti o animê, e faz muito tempo já. Mas é tão fofo *.* que adoraria rever, na verdade eu preciso voltar a assistir animê. É tão, tão divertido (#empolgada).
    É tão legal quando nos identificamos com algum personagem. Os livros, mangás, quadrinhos, filmes.. tem esse poder de transpor nossos sentimentos da ficção para realidade, e vice-versa. Bjus Bê, continue postando.. estou acompanhando e adorando seu blog.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Ví! /o/

    Eu gosto muito desses personagens que mexem com a gente. Tem uns que passam tão em branco que dá um tempo a gente esquece. Agora esses que nos ensinam como ser melhores, seja sendo realmente bons, ou sendo tão maus que nos fazem refletir no que devíamos corrigir neles (em consequência em nós), esses são os que a gente guarda mesmo depois de anos sem chegar perto do livro mesmo.

    bjus. =3

    ResponderExcluir