sexta-feira, 10 de agosto de 2012

[Resenha] Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge – Christopher Nolan



Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, finaliza a franquia do homem morcego visto pelo do ângulo sério e inigualável de Christopher Nolan, que conquistou o público e os estúdios da Warner Bros desde o início. O trabalho na minha humilde opinião foi encerrado com chave de ouro. Tanto que não consigo fazer uma comparação entre os outros filmes. Gosto de olhar os três em paralelo, no fim das contas como uma obra só. Destaque para toda a história sobre a Liga das Sombras no primeiro e a imortalização na história do cinema do vilão Coringa interpretado pelo falecido Heath Ledger.

Christian Bale vivendo Bruce Wayne/Batman agora tem que encarar novos, e ao mesmo tempo, antigos problemas, além do ódio do povo pela falsa culpa de ter assassinado Harvey Dent (O Duas Caras) que assumiu para manter viva a esperança do povo de Gotham. O vilão dessa vez é o Bane (Tom Hardy), que tem como objetivo resgatar o legado de Ra’s Al Ghul, o fundador da Liga das Sombras. O novo vilão une força e inteligência de uma fora um tanto obscura. Desafia o protagonista várias vezes e espalha literalmente o caos pela cidade. E pra completar o time de figuras famosas vemos a Mulher-Gato (Anne Hathaway), extremamente elegante, cheia das boas brigas e dos bons efeitos desempenhar um papel pouco significativo no filme, mas que na minha opinião ficou ótimo.

Outros personagens aparecem no filme, um policial jovem, John Blake (Joseph Gordon-Levitt), e Miranda Tate (Marion Cotillard), ambos incríveis na atuação. Fizeram bonito, e nem precisaram de máscaras! Quem pensava que tais personagens seriam insignificantes pro roteiro, quebraram a cara s e se surpreenderam. É como eu gosto de dizer, uma história de heróis não é feita só de mocinhos e vilões. Gente comum ajuda bastante. E nesse caso, tive de tirar o chapéu. Gary Oldman, Morgan Freeman e  Michael Caine também voltam, pessoas comuns como sempre. São personagens por quem eu aprendi (durante a trilogia) a respeitar. Comissário Gordon, Lucius Fox e Alfred, respectivamente, possuem um papel importantíssimo na trama cada qual do seu modo ímpar, mostrando uma atuação espetacular, um destaque maior ao último que fez valer o pouco que apareceu.

O filme superou muito as minhas expectativas, o elenco perfeito, a trilha sonora ótima, a fotografia incrível, os efeitos sensacionais. E quanto ao roteiro... Puxa, Christopher Nolan consegue fechar o último filme deixando aquele gosto de “quero mais”. Aquela ânsia por mais surpresas, mais ação, mais reviravoltas e mais pelo menos uma hora e meia de filme. Um final perfeito para uma trilogia épica.






Nenhum comentário:

Postar um comentário